domingo, outubro 22, 2017

Mídia golpista hoje


Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite.
O Globo, entre diversos artigos sobre a Rússia e a antiga União Soviética, sobre o Brasil diz que "em meio à crise das esquerdas, cartilha liberal vai para as urnas", entusiasmado com os partidinhos de direita: Livres (a "renovação" do PSL, Partido Social Liberal) e Partido Novo.
O Globo parece estar rompido com o governo ilegítimo de Temer e sua camarilha de criminosos.  Por exemplo, a lambe-botas Leitão, no artigo "Viagem ao passado", critica a portaria do Ministério do Trabalho que tucanou o trabalho escravo e dá poder de censura ao ministro Ronaldo Nogueira, deputado federal pelo PTB (trabalhismo pelego) e pastor da igreja Assembleia de Deus (que articula criação de partido conservador de direita).  Ela cita os casos de escravidão envolvendo dois políticos de Pernambuco, o ex-deputado e ex-presidente da Câmara, Inocêncio de Oliveira (ARENA, PDS, PFL, PL, PR), e o senador Armando Monteiro (PSDB, PMDB, PTB), ex-presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria).
Por outro lado, O Globo também parece estar constrangido com o PSDB e Aécio (sugerindo que seu ex-candidato à presidência, e amigo de Gilmar Mendes, se candidate a deputado porque uma candidatura ao senado seria arriscada). Elio Gaspari comenta, inclusive na Folha, sobre a "poderosa blindagem do tucanato paulista" e a reintegração no TCE-SP do conselheiro Robson Marinho investigado desde 2008 - leia no Brasil247.  Para refrescar a memória, Robson Marinho, o "RM" da lista de subornos da empresa francesa Alstom, é o tucano que foi secretário da Casa Civil do governo Mario Covas.
Na Folha, Janio de Freitas escreve que "suposição de que Dodge veio para salvar Temer ganha nova estatura", depois que a procuradora-geral da república Raquel Dodge apontou o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), sub de Temer, como chefe de quadrilha e líder de organização criminosa.
Também na Folha, Bernardo Mello Franco escreve sobre "a lata velha de Huck", comentando sobre a aposta de setores da direita no apresentador da Globo, Luciano Huck, amigo de Aécio Neves, Sergio Cabral e Eike Batista.  O mesmo tema é comentado pelas repórteres do Painel.  O mercado avalia Huck pelo seu liberalismo na economia e nos costumes em um momento em que o prefake ainda neotucano Doria está cada vez mais desgastado com sua mais recente trapalhada, a ração humana.
O Estadão, folhetim da extrema direita, afirma que Bolsonaro faz o PEN (Partido Ecológico Nacional) virar Patriota (PATRI), abandonar causa ambiental, proibir apoio ao aborto e defender uso de armas - tudo isso para atrair o candidato dos analfabetos políticos e dos extremistas de direita.  O detalhe é que Bolsonaro (Bozonazi, Boçalnaro etc.), segundo o qual Uberlândia é cidade paulista,  ainda está no PSC, Partido Social Cristão, ex-Partido Democrático Republicano.
Vou terminar por aqui, porque ler o Estadão, da Eliane Cantanhêde e da Vera Magalhães (da Jovem Pan), me deu náuseas.  Tem um Plasil aí? Dramin também serve.

sábado, agosto 26, 2017

Uma Tarde em Buenos Aires



O “Santos Manjares” é o nono melhor restaurante de Buenos Aires segundo avaliações do TripAdvisor.  Fica na calle Paraguay, no bairro do Retiro, a uma quadra da Estátua de Adolfo Alsina, avenida 9 de Julio, aquela larga, do Obelisco.  É simples, mas a comida é boa e o pessoal é muito simpático e amigável.  Lá, recomendo o ‘bife de chorizo al punto’.  Uma sugestão: não peça café e ‘postres’ (sobremesas) – em vez disso, caminhe uns 20 minutos para fazer a digestão e prove café brasileiro ou colombiano e alfajores no “ El Gato Negro”, na Corrientes.
Enquanto Santiago tem uma farmácia em cada esquina, Montevideo, casas de câmbio, Buenos Aires tem livrarias, muitas.  É difícil resistir e não comprar nenhum título, livro técnico ou de ficção.  Chama a atenção o número de teatros e de livrarias.  Buenos Aires é a cidade com mais livrarias do mundo, tendo mais livrarias que o Brasil inteiro.  Temos de admitir: o portenho médio é mais educado e culto do que a nossa classe média (ignorante, hipócrita e preconceituosa).
Buenos Aires também tem uma boa malha de ‘subte’ (metrô).  As composições assemelham-se mais a trens mesmo, e as estações estão um tanto descuidadas, embora a decoração e a presença de músicos sejam destaques interessantes.  A estação Carlos Gardel tem saída para o shopping Abasto, um dos maiores da cidade.  Hoje, numa de suas 12 salas, vi o novo filme do Santiago Mitre, “La Cordillera”, com Ricardo Darín no papel de Hernán Blanco, hipotético presidente da Argentina, vivendo momentos críticos nos âmbitos político e familiar, durante uma cúpula latino-americana em Valle Nevado (‘ski resort’ perto de Santiago do Chile, na Cordilheira do Andes - daí o nome original do filme).  Não vou contar o filme, mas preste atenção às referências a Lula e à Petrobras, à manipulação corruptora dos ianques na região e à corruptibilidade das autoridades latino-americanas.

domingo, agosto 06, 2017

Dia de Vergonha e Dia de Covardia




Em menos de um ano e meio, o Brasil teve seu segundo Dia da Vergonha, nesta última quarta-feira, dois de agosto. A Câmara dos Deputados optou pelo arquivamento da denúncia de corrupção passiva contra o presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB/SP).  Votaram unanimemente pelo não ao arquivamento apenas PT (58 votos), PCdoB (10), PSOL (6), REDE (4) e PMB (1).  Pela ordem, os partidos que mais contribuíram com Temer (ou foram comprados): PMDB (53 votos), PP (37), PR (28), DEM (23), PSD e PSDB (22); ou seja, a direita, que se dizia contra a corrupção, agora disse que estabilidade é mais importante e corrupção não é mais um problema.  Os partidos que votaram contra Temer foram os mesmos que votaram unanimemente contra a reforma trabalhista patrocinada pelos patrões.  O PDT tem um reacionário em suas fileiras, e o PSB está dividido, lamentavelmente.  Todo desinformado, que acredita que partido e político é tudo igual, deveria saber que a diferença é cristalina quando se vota temas de interesse nacional.

Dessa vez tivemos novidades interessantes.

A classe média não bateu panela, mas quer o fim do governo... da Venezuela!

A maioria da bancada evangélica votou a favor de Temer alegando que foi guiada por Deus.  Em outras palavras, pastores picaretas, que enriquecem à custa da fé popular, não se importam com a corrupção ou se o vampiro é satanista ou não.

E a TV Globo, pela primeira vez, cancelou novelas e Jornal Nacional - portanto em um dia de semana - para transmitir ao vivo a votação, mesmo perdendo audiência, uma vez que decidiu desembarcar do golpe que apoiou – não sei se por causa da queda da verba publicitária ou da popularidade do governo. O mais cômico, e trágico, é que Ali Kamel, o diretor de jornalismo da Globo, que decretara não haver racismo no Brasil, e que anda às turras com os jornalistas da Folha, dois dias depois disse que “a Globo faz jornalismo, não faz campanha, nem contra nem a favor, em respeito ao público”.  Ou seja, mente descaradamente.  Qualquer estudante de jornalismo sabe - ou deveria saber - que jornalismo não é só jornalismo, mas principalmente negócio.

Não poderia terminar sem lembrar que hoje fazem 72 anos que Hiroshima e cerca de 130 mil alvos civis foram alvos de armas nucleares ianques.

sábado, junho 03, 2017

Fatos e Fotos

Uma imagem vale mais do que mil palavras. Então, vamos descrever os últimos anos do Brasil com algumas imagens muito ilustrativas.

Helicoca dos Perrella perto do aeroporto do Mineirinho

Direita unida, depois vencida

Direita esperançosa, depois derrotada

Direita unida pelo golpe  
Manipulados pela mídia golpista
Rato do Ano, segundo revista QuantoÉ, e amigos
#ForaTemer
#DiretasJá

domingo, maio 28, 2017

The Handmaid's Tale: o que certos evangélicos querem para o Brasil



http://www.geektown.co.uk/tvairdates/the-handmaids-tale/
The Handmaid’s Tale (“O Conto da Serva”) é uma obra de ficção distópica escrita pela ativista ambiental canadense Margaret Atwood e publicada em 1985.  Em 1990 virou um filme chamado ‘A Decadência de uma Espécie’, dirigido pelo alemão Volker Schlöndorff (de ‘O Ano Passado em Marienbad’ e ‘O Tambor’).  E agora, em 2017, série de TV criada por Bruce Miller (produtor de ‘The 100’ e ‘ER’) e estrelada por Elisabeth Moss (de ‘Mad Men’ e 'Garota, Interrompida’) no papel da protagonista Offred.
Resumo da ópera (sim, virou ópera composta pelo dinamarquês Poul Ruder em 2000): em um futuro não muito distante é instaurada uma ditadura de extrema direita que elimina as minorias, a República de Gilead.  Esse regime autoritário e teocrático adota o Velho Testamento como Constituição.  Consequentemente sacrifícios, genocídio, poligamia, traição, machismo, homofobia, misoginia e todas as perversidades bíblicas estão presentes.  Vale a pena ver e refletir sobre os tempos atuais, em que os evangélicos apoiam esse governo golpista e elegem mercadores da fé para tornar o Brasil uma república teocrática.
http://www.laparola.com.br/rumo-a-ditadura-religiosa
   

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...