domingo, junho 29, 2008

Da natureza, da consciência e da reputação

Preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação
"Um mestre do Oriente viu quando um escorpião estava se afogando e decidiu tirá-lo da água, mas quando o fez, o escorpião o picou.
Pela reação de dor, o mestre o soltou e o animal caiu de novo na água e estava se afogando. O mestre tentou tirá-lo novamente e outra vez o animal o picou. Alguém que estava observando se aproximou do mestre e lhe disse:
-Desculpe-me, mas você é teimoso! Não entende que todas as vezes que tentar tirá-lo da água ele irá picá-lo?
O mestre respondeu:
-A natureza do escorpião é picar, e isto não vai mudar a minha, que é ajudar.
Então, com a ajuda de uma folha, o mestre tirou o escorpião da água e salvou sua vida, e continuou:
-Não mude sua natureza se alguém te faz algum mal; apenas tome precauções. Alguns perseguem a felicidade, outros a criam. Quando a vida te apresentar mil razões para chorar, mostre- lhe que tens mil e uma razões pelas quais sorrir. Preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação. Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam... É problema deles."

Espírito moderno

Uma sucessão de fatos tem me levado a refletir sobre misticismo, ocultismo e espiritismo. Vou lembrá-los a seguir, não necessariamente em ordem cronológica direta ou inversa:
- vi o filme “Julieta dos Espíritos”;
- faleceram nesta semana a Ruth Cardoso e a Sylvinha Araújo; e
- vi em algumas livrarias algumas obras que tratam a relação do nazismo com o ocultismo e lembrei na hora da “divisão paranormal da SS” citada no game “Retorno ao Castelo de Wolfenstein”.
Não sou contra o espiritismo por motivos religiosos, a exemplo dos protestantes, mas acho que é uma doutrina perigosa do ponto de vista político, filosófico e ideológico.
Para entender essa questão, assim como a todo o pensamento moderno, é indispensável conhecer os pensadores, escritores, filósofos e cientistas do século XIX. A tese de que há seres superiores, que evoluíram pela seleção natural e sobreviveram por serem mais aptos, quando aplicada a raças e a espíritos é a base do nazismo e do espiritismo. Essa tese serviu de motivo para a perseguição nazista a judeus, ciganos, eslavos, homossexuais, marxistas, além de católicos e testemunhas de Jeová. O codificador da doutrina espírita, Hippolyte Rivail, sob o pseudônimo de Allan Kardec, deixa bem claro seu racismo no artigo “Perfectibilidade da Raça Negra” (Perfectibilité de la race nègre, Revue Spirite - Journal D’Estudes Psychologiques, Avril 1862). Que me perdoem os amigos que acham chique ser espírita, à moda da Globo, de seu jornal Extra e de sua revista Época, mas é apenas a minha opinião. Conto com seu espírito superior e caridoso para que não me condenem por pensar diferente.

Julieta dos Espíritos

”Julieta dos Espíritos” (Giulietta degli Spiriti, 1965) é o primeiro filme colorido do Federico Fellini. Conta a estória de Giulietta Boldrini (vivida pela Giulietta Masina, mulher do diretor), que busca forças nas memórias e no misticismo para deixar o marido infiel. O filme tem dois pontos que chamam a atenção. O primeiro é o uso e abuso das cores, inovação do cinema italiano, em meio às figuras bizarras, fantasias, sonhos e alucinações, características do cinema de Fellini. O segundo aspecto é a abordagem do misticismo. O bom cinema leva à reflexão. Vou comentar no próximo post o que me ocorreu ao ver este filme. Se o recomendo? Em geral, não. A menos que você estude cinema ou seja cinéfilo. Para ver algo mais blockbuster, reveja Ghost (1990) do Jerry Zucker, cujo melhor filme foi “Apertem os Cintos... O Piloto Sumiu” (Airplane!, 1980).

quarta-feira, junho 25, 2008

Até logo, Ruth

Fiquei surpreso ao saber hoje da morte súbita da ex-primeira dama dona Ruth Cardoso. E triste também, confesso. Alguém poderá dizer que não entende por quê. Ué! Não se pode ter religiões políticas diferentes? Qual o problema? Apesar do tucanato ter optado pela aliança com o que há de mais retrógrado em termos de pensamento político e ideológico no Brasil, não podemos esquecer que, ao lado de muitos peemedebistas, os tucanos também foram companheiros de luta contra o fascismo por aqui. Naquele momento, nossas diferenças não importavam tanto. Depois, cada um fez a opção que achou mais adequada. Nada mais normal. Nós conseguimos deixar a sociedade mais tolerante e mais plural. O fato da professora e antropóloga pensar diferente não tira seu valor. Com respeito e admiração, manifesto aqui minhas sinceras condolências à família. Descansa em paz, Ruth.

sábado, junho 21, 2008

Filhos da Esperança

"Filhos da Esperança" (Children of Men, 2006, Alfonso Cuarón) é um filme interessante, diferente. É ficção científica sem raios laser, naves espaciais, teletransporte etc. É uma visão apocalíptica do futuro próximo baseada no passado recente. Trata-se do ano de 2027 em que não existiriam mais crianças. Sem elas, não haveria futuro e nem esperança. Há muitas citações e simbolismo. Lembra George Orwell em "1984". O quadro Guernica (do Pablo Picasso) e a canção "Arbeit Macht Frei", cujo título significa "trabalho liberta", lembram o nazi-fascismo, assim como a truculência dos britânicos ao tratar de imigrantes indesejados. É um filme para ler. E pensar.

segunda-feira, junho 16, 2008

Fico assim sem você

Avião sem asa
Fogueira sem brasa
Sou eu assim sem você
Futebol sem bola
Piu-piu sem Frajola
Sou eu assim sem você

Porque que é que tem que ser assim?
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero todo instante
Nem mil auto-falantes
Vão poder falar por mim

Amor sem beijinho
Buchecha sem Claudinho
Sou eu assim sem você
Circo sem palhaço
Namoro sem amasso
Sou eu assim sem você

Tô louca pra te ver chegar
Tô louca pra te ter nas mãos
Deitar no teu abraço
Retomar o pedaço
Que falta no meu coração

Eu não existo longe de você
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas pra poder te ver
Mas o relógio tá de mal comigo
Por quê? Por quê?

Neném sem chupeta
Romeu sem Julieta
Sou eu assim sem você
Carro sem estrada
Queijo sem goiabada
Sou eu assim sem você

Porque que é que tem que ser assim?
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero a todo instante
Nem mil auto-falantes
Vão poder falar por mim

Eu não existo longe de você
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas pra poder te ver
Mas o relógio tá de mal comigo

domingo, junho 15, 2008

Detroit

Detroit é uma cidade do condado de Wayne no sudeste do Estado de Michigan, separada de Windsor (Ontario, Canadá) pelo Rio Detroit, estreito que liga grandes lagos. Sua área metropolitana, conhecida por Metro Detroit, inclui mais cinco condados e tem cerca de quatro e meio milhões de habitantes. A cidade tem vários apelidos, incluindo Motown, pela música, e Motor City, por ser o centro automotivo mais tradicional do mundo. Veja ao lado fotos do GM Renaissance Center, cuja torre principal tem um restaurante no 72º andar. Se tiver medo de altura, não suba lá. Fora o People Mover, que é um trenzinho automático e que circula no centro financeiro, e alguns poucos ônibus, podemos até dizer que não há transporte público na região, isto é, todo mundo tem carro. A maioria dos carros é nova, grande, de câmbio automático. É comum ver gente ao celular enquanto dirige e até mesmo enquanto abastece - lá não há frentistas. O preço do combustível está cerca de um dólar por litro, caro para eles. Há muitos shoppings, lá chamados de "mall". Em cada quarteirão tem uma bandeira americana. E em lugares públicos sempre se vê um aviso aconselhando a denunciar atividades suspeitas. Talvez seja o stress causado pelo 11 de setembro de 2001. Com relação ao tempo, fora o fato de que a temperatura chega a -10°C entre dezembro e março, é comum se ver nas fábricas os tornado shelters, abrigos para se proteger dos tornados. Se você for e ficar muito tempo por lá, corre o risco de ir Zé Carioca e voltar Pato Donald.

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...