domingo, outubro 26, 2008

Eleições municipais de 2008

Ao comemorar 28 anos de história, o PT volta a governar São Bernardo depois de quase 20 anos, justamente no momento em que o Maurício Soares voltou ao partido para ser um dos coordenadores da campanha que elegeu Luiz Marinho.
Eleições municipais são curiosas no Brasil.
O vice de Marinho, Frank Aguiar, é do PTB, partido que acabou com a hegemonia do PT em Santo André, com direito a festa e gritos de "Fora PT".
O PPS do candidato Alex Manente, que tinha ficado em terceiro lugar no primeiro turno, apoiou o PT no segundo turno em São Bernardo. Mas em São Paulo, o PPS da Soninha ficou com o Kassab. Não fosse São Paulo, o DEM praticamente se tornaria um partido nanico, já que venceu em apenas mais 4 cidades com mais de 200 mil eleitores.
O PT e o DEM fizeram parte da coligação que elegeu o prefeito de Campinas, Dr. Hélio do PDT, no primeiro turno! Acredite, se quiser.
Se em São Paulo o PSDB do Serra ficou com o DEM para eleger o malufista-afifista Kassab, em Belo Horizonte o PSDB do Aécio Neves ficou com o PT para eleger o Márcio Lacerda do PSB.
Tirando aquela peça publicitária da campanha da Marta, que insinuava que Kassab seria homossexual, a campanha em São Paulo foi razoável e culminou de forma civilizada quando ela admitiu a derrota e ligou para parabenizá-lo.
Muito curiosas as eleições municipais no Brasil. E muito rápidas. Foram uns 20 segundos para votar, praticamente o tempo de digitar duas teclas com os algarismos do partido e a terceira para confirmar. Em minha seção eleitoral não havia filas. E o resultado ficou conhecido em pouco mais de duas horas de apuração. Sem boca de urna, o clima foi completamente sereno. Quem diria que a gente ia se acostumar com a democracia em tão pouco tempo?

sábado, outubro 18, 2008

Outubro

O que foi feito, amigo, de tudo que a gente sonhou?
O que foi feito da vida, o que foi feito do amor?
Quisera encontrar aquele verso menino que escrevi há tantos anos atrás.
Falo assim com saudade, falo assim por saber.
Se muito vale o já feito, mais vale o que será.
Mais vale o que será.
E o que foi feito é preciso conhecer para melhor prosseguir.
Falo assim sem tristeza, falo por acreditar que é cobrando o que fomos que nós iremos crescer. Nós iremos crescer, outros outubros virão, outras manhãs, plenas de sol e de luz.
Alertem todos alarmas que o homem que eu era voltou.
A tribo toda reunida, ração dividida ao sol.
E nossa Vera Cruz, quando o descanso era luta pelo pão e aventura sem par.
Quando o cansaço era rio e rio qualquer dava pé.
E a cabeça rolava num gira-girar de amor.
E até mesmo a fé não era cega nem nada, era só nuvem no céu e raiz.
Hoje essa vida só cabe na palma da minha paixão.
Devera nunca se acabe, abelha fazendo o seu mel.
No pranto que criei, nem vá dormir como pedra e esquecer o que foi feito de nós.

Constituição Cidadã

O post anterior fez referência ao discurso do deputado Ulysses Guimarães no momento da promulgação da Constituição Brasileira em 5 de outubro de 1988. Ficou conhecida por Constituição Cidadã por causa de muitos avanços na área social que foram incorporados ao seu texto, apesar da choradeira de alguns setores conservadores de nossa sociedade.
Embora tenha apoiado a quartelada de 1964, em 1965 o Dr. Ulysses se filiou ao MDB e a partir de então participou de todas as campanhas pela volta do país à democracia, inclusive das lutas pela anistia e pelas eleições diretas.
Coincidentemente, ele nasceu em 6 de outubro (de 1916) e faleceu em 12 de outubro (de 1992). Não esqueço a participação dele no "Vox Populi", de Carlos Queiroz Telles e Roberto Muylaert, premiado programa de entrevistas e debates, em 1977 ou 1978. Foi um dos primeiros políticos que me impressionaram positivamente depois que "descobri" que vivíamos sob uma ditadura militar.
Que me perdoem, mas essa foi apenas uma pequena lembrança de tempos não tão distantes assim, mas que certamente foram esquecidos pela maioria de nossa população. Como dizem, o brasileiro tem memória curta, especialmente sobre política e história recente do país. Segundo um filósofo espanhol, Santayana, "os que são incapazes de recordar o passado são condenados a repetí-lo".
Você reparou que em outubro só tenho falado de política? Não é por acaso. O que mais me incomoda é ver gente jovem fazendo escolhas movidas pela mídia conservadora e, para falar a verdade, por pura ignorância. Há exceções, mas dá para contar nos dedos.

quarta-feira, outubro 08, 2008

É caminhando que se faz o caminho

Chegamos! Esperamos a Constituição como o vigia espera a aurora. Bem-aventurados os que chegam. Não nos desencaminhamos na longa marcha, não nos desmoralizamos capitulando ante pressões aliciadoras e comprometedoras, não desertamos, não caímos no caminho. Alguns a fatalidade derrubou: Virgílio Távora, Alair Ferreira, Fábio Lucena, Antonio Farias e Norberto Schwantes. Pronunciamos seus nomes queridos com saudade e orgulho: cumpriram com o seu dever.
A Constituição certamente não é perfeita. Ela própria o confessa, ao admitir a reforma.
Quanto a ela, discordar, sim. Divergir, sim. Descumprir, jamais. Afrontá-la, nunca. Traidor da Constituição é traidor da Pátria. Conhecemos o caminho maldito: rasgar a Constituição, trancar as portas do Parlamento, garrotear a liberdade, mandar os patriotas para a cadeia, o exílio, o cemitério.
A persistência da Constituição é a sobrevivência da democracia.
Quando, após tantos anos de lutas e sacrifícios, promulgamos o estatuto do homem, da liberdade e da democracia, bradamos por imposição de sua honra: temos ódio à ditadura. Ódio e nojo. Amaldiçoamos a tirania onde quer que ela desgrace homens e nações, principalmente na América Latina.
A coragem é a matéria-prima da civilização. Sem ela, o dever e as instituições perecem. Sem a coragem, as demais virtudes sucumbem na hora do perigo. Sem ela, não haveria a cruz, nem os evangelhos.
A Assembléia Nacional Constituinte rompeu contra o establishment, investiu contra a inércia, desafiou tabus. Não ouviu o refrão saudosista do velho do Restelo, no genial canto de Camões. Suportou a ira e perigosa campanha mercenária dos que se atreveram na tentativa de aviltar legisladores em guardas de suas burras abarrotadas com o ouro de seus privilégios e especulações.
Há, portanto, representativo e oxigenado sopro de gente, de rua, de praça, de favela, de fábrica, de trabalhadores, de cozinheiros, de menores carentes, de índios, de posseiros, de empresários, de estudantes, de aposentados, de servidores civis e militares, atestando a contemporaneidade e autenticidade social do texto que ora passa a vigorar. Como o caramujo, guardará para sempre o bramido das ondas de sofrimento, esperança e reivindicações de onde proveio.
A Constituição é caracteristicamente o estatuto do homem. É sua marca de fábrica.
O inimigo mortal do homem é a miséria. O estado de direito, consectário da igualdade, não pode conviver com estado de miséria. Mais miserável do que os miseráveis é a sociedade que não acaba com a miséria.
A Federação é a governabilidade. A governabilidade da Nação passa pela governabilidade dos Estados e dos Municípios. O desgoverno, filho da penúria de recursos, acende a ira popular, que invade primeiro os paços municipais, arranca as grades dos palácios e acabará chegando à rampa do Palácio do Planalto.
Democracia é a vontade da lei, que é plural e igual para todos, e não a do príncipe, que é unipessoal e desigual para os favorecimentos e os privilégios.
A moral é o cerne da Pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos, que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam.
Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública.
Não é a Constituição perfeita. Se fosse perfeita, seria irreformável. Ela própria, com humildade e realismo, admite ser emendada, até por maioria mais acessível, dentro de 5 anos.
Não é a Constituição perfeita, mas será útil, pioneira, desbravadora. Será luz, ainda que de lamparina, na noite dos desgraçados. É caminhando que se abrem os caminhos. Ela vai caminhar e abri-los. Será redentor o caminho que penetrar nos bolsões sujos, escuros e ignorados da miséria.
Nosso desejo é o da Nação: que este Plenário não abrigue outra Assembléia Nacional Constituinte. Porque, antes da Constituinte, a ditadura já teria trancado as portas desta Casa.
Autoridades, Constituintes, senhoras e senhores, a sociedade sempre acaba vencendo, mesmo ante a inércia ou antagonismo do Estado.
O Estado autoritário prendeu e exilou. A sociedade, com Teotônio Vilela, pela anistia, libertou e repatriou.
A sociedade foi Rubens Paiva, não os facínoras que o mataram.
Foi a sociedade, mobilizada nos colossais comícios das Diretas-já, que, pela transição e pela mudança, derrotou o Estado usurpador.
Termino com as palavras com que comecei esta fala: a Nação quer mudar. A Nação deve mudar. A Nação vai mudar.
A Constituição pretende ser a voz, a letra, a vontade política da sociedade rumo à mudança.
Que a promulgação seja nosso grito: – Mudar para vencer! Muda, Brasil!

segunda-feira, outubro 06, 2008

Eleicões Municipais

A ARENA, isto é, o DEM, só não vai virar partido nanico se o Kassab, ex-secretário do Pitta e candidato do Serra, vencer a Marta no segundo turno de São Paulo. De qualquer forma, o PDS, isto é, o DEM, venceu em apenas 4 municípios com mais de 200 mil eleitores. O PFL, isto é, o DEM, ficou para o segundo turno em apenas 2 cidades com mais de 200 mil eleitores, entre elas a única das capitais, justamente São Paulo. Eles vão investir todas as fichas em São Paulo, já que perderam até em Salvador, onde foi a missa de sétimo dia do carlismo, conforme disse o Marco Aurélio Garcia ao Blog do Josias. Já sairam em busca do apoio dos outros partidos de direita, sobretudo o PSDB e o PPS. A Marta vai ter dificuldades, já que teve de tomar medidas impopulares por ter pegado a Prefeitura quebrada em 2000 e agora está na mira dos plutocratas, da classe média conservadora e da imprensa burguesa - Folha, Estado, Veja e Globo. O segundo turno em Sampa vai ser uma prévia à eleição para presidente em 2010. O Serra apostou nisso quando abandonou a campanha do companheiro de partido (Alckmin) para ingressar com tudo na campanha do "democrata" Kassab. Em 26 de outubro teremos então a luta do lobisomem contra a mula-sem-cabeça. Quem viver, verá.

quinta-feira, outubro 02, 2008

A briga do tucano e o papagaio

Já que o Maluf tem o nome associado à corrupção, a direita paulistana, através do Estadão, da Folha e da Globo, já escolheu o Kassab, em detrimento do Alckmin. Parte do PSDB também já optou pelo Kassab, ex-secretário de Planejamento do Celso Pitta (criatura e obra de Maluf).
A Folha dá vantagem de oito pontos a Gilberto Kassab sobre Geraldo Alckmin às vésperas do primeiro turno. E aponta o "democrata" como futuro prefeito da cidade.
Segundo a Folha e o Estadão, o Picolé de Chuchu "reagiu com indignação" ao cancelamento pela Globo do último debate antes do primeiro turno, que favoreceu o "democrata". Alckmin foi abandonado pelos companheiros quando tentou a estratégia de atacar o malufista Kassab. Segundo o presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ), "o eleitor não esperava uma atitude tão agressiva de um homem de Deus, que dizem ser ligado à Opus Dei".
Eles estão desesperados. Será que eles, PSDB e DEM(-PFL-PDS-ARENA), vão conseguir se fundir após as eleições? Se forem para o segundo turno, tenha certeza que o PPS (ex-Partidão) da Soninha vai ficar com eles. Por outro lado, se não conseguir se eleger, essa gente vai virar partido nanico por muito tempo.

quarta-feira, outubro 01, 2008

Pra Não Dizer Que Não Falei da Política


  • Na semana passada no SBT Repórter, o César Filho apresentou o tema "Araguaia/Milícias". Na primeira parte foi abordada a história da guerrilha do Araguaia que ocorreu aqui nos anos 70. E na segunda metade, mostraram-se algumas entrevistas e atividades da organização neonazista americana White Aryan Resistance, citando o atentado à bomba na Cidade de Oklahoma em 1995. A TV aberta às vezes chega a nos surpreender. Pena que sejam apenas algumas exceções, de vez em quando.
  • O Que Você Tem a Ver com a Corrupção? é um projeto interessante, originado no estado de Santa Catarina há quatro anos e que agora tem alcançado projeção nacional. Aparentemente não tem vinculações político-eleitorais, como algumas campanhas que vimos recentemente. A corrupção é um mal presente em toda a sociedade, e não apenas no meio político, como querem dar a entender os adversários da democracia. Vale a pena dar uma clicada nesse link.

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...