domingo, agosto 26, 2012

Bonito é lindo!

Bonito, com população de 20 mil habitantes, fica a cerca de 300 km de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Situa-se num dos vales do Planalto da Bodoquena, que há milhões de anos deve ter sido o fundo do “Mar de Corumbá”, a julgar pelas diversas grutas, cavernas e dolinas de rochas calcáreas.
O Abismo Anhumas é considerado o melhor passeio (e mais caro) da região, onde se pratica rapel e mergulho. Não consegui agendar a tempo, mas consegui ver a lindíssima Gruta do Lago Azul e também a Gruta de São Miguel.
Outro passeio imperdível é a flutuação, que pode ser feita no Aquário Natural, no Rio Sucuri e no Rio da Prata, que fica no município vizinho de Jardim, onde ficam também a Lagoa Misteriosa e o Buraco das Araras.
Se você gosta de cachoeiras, não perca a da Boca da Onça, a mais alta do estado (156 m) e o Parque das Cachoeiras, que inclui 6 cachoeiras, grutas e poços para banho. O coração da cidade é composto por umas dez quadras da Rua Coronel Pilad Rebuá, onde há diversos restaurantes – não perca a oportunidade de provar a carne de jacaré. A maioria dos passeios deve ser agendada com antecedência nas várias agências de turismo. Há diversos hotéis e pousadas, com preços variados. Se não tiver nada para fazer à noite, vale a pena ir à palestra do Homem da Cobra no Projeto Jibóia.
Se tiver tempo e for amante da pesca, dê uma esticadinha a Corumbá (330 km, fronteira com a Bolívia) ou a Porto Murtinho (130 km, fronteira com o Paraguai).
Navegue pelos links acima e programe o seu próprio passeio. Recomendo.

domingo, agosto 19, 2012

Capital do Pantanal

Corumbá, com cerca de cem mil habitantes, fica a uns 440 km de Campo Grande, na fronteira com a Bolívia. No casario do porto você pode providenciar uma hospedagem a partir de 5 dias nos barcos-hotéis que percorrem o rio Paraguai, opção preferida dos ecoturistas e dos pescadores. Subindo o rio Paraguai, vai-se até Porto Jofre (MT) passando-se pelo Parque Nacional do Pantanal Matogrossense, no rio Cuiabá.
Para mim, que não pesco, a principal atração é a Estrada-Parque Pantanal, que liga Corumbá a Buraco das Piranhas (na BR-262) por 120 km de terra, com umas 90 pontes de madeira, incluindo uma travessia do rio Paraguai por balsa. Encha o tanque e vá devagar para poder ver os animais, principalmente jacarés e uma infinidade de aves. A melhor época para visita é de maio a agosto, quando chove menos (30-50 mm) e a temperatura é mais amena (13-27°C).
Sugiro ir até Corumbá pela BR-262, que é totalmente asfaltada e não tem pedágios, fazendo paradas em Aquidauana e Miranda. Reabasteça no Posto Pioneiro, no km 535, onde há também uma pousada, um restaurante e uma loja de souvenirs. Não deixe de parar também na Dona Maria do Jacaré. Na volta, utilize a Estrada-Parque e depois, via Miranda e Bodoquena, visite Bonito. Depois falarei de Bonito, que merece muito esse nome.

domingo, agosto 12, 2012

Olimpíada de Londres 2012

Terminamos esta edição das Olimpíadas na 22ª posição num ranking de 204 países, sendo 79 os que obtiveram medalhas. Atingimos o recorde de 17 medalhas, a maior quantidade em 92 anos de participações (22 edições, desde 1920).
Em termos de posição no ranking de países, só 5 vezes estivemos em posição melhor. A melhor foi em Antuérpia 1920: 15ª. Mas foram apenas 29 países, sendo 22 os medalhistas. Posições em Moscou 1980 e em Los Angeles 1984: respectivamente 18ª e 19ª, mas foram anos de boicotes devido à Guerra Fria, em que ora Estados Unidos e ora União Soviética não participaram. Em Seul 1988 (governo Sarney) também encerramos na 19ª posição. Se considerarmos a posição no ranking dividida pelo número de países medalhistas, este ano só foi inferior a 2004/Atenas (governo Lula), quando “nunca antes na história deste país” tivemos uma participação tão boa, terminando na 16ª posição e obtendo o nosso recorde de medalhas de ouro: 5.
Apenas nesta edição já igualamos o número de medalhas de ouro que foram obtidas nas 2 edições durante o governo FHC (Atlanta 1996 e Sydney 2000), nas 6 edições durante a ditadura militar (1964-1985), e nas 9 edições antes da ditadura. Aliás, a nossa pior colocação “em toda a história deste país” foi em 2000 (sob FHC): 52ª!
Nesta edição infelizmente houve algumas falhas de atletas considerados favoritos e também tropeços em algumas modalidades nas quais também tínhamos favoritismo. Fomos superados pelos países mais ricos e ou de maior tradição no esporte, como sempre, mas estivemos à frente da Dinamarca, da Noruega, da Suécia, da Suíça, do Canadá e de toda América Latina (exceto Cuba). No entanto, para os urubólogos de plantão esse desempenho não foi o bastante e, portanto, deveremos ser um fiasco na Copa de 2014 e na Olimpíada de 2016...
Claro que, como torcedor, fiquei triste com alguns resultados, como as medalhas de prata no futebol ontem e no vôlei hoje, mas estou orgulhoso por ser brasileiro e tenho certeza que continuaremos a melhorar constantemente.