sábado, setembro 17, 2016

Hibernação, criogenia, viagens espaciais e o mundo da lua



Como as distâncias interestelares são muito grandes, é virtualmente impossível que um viajante chegue vivo a outro planeta em outro sistema estelar.  Considerando a estrela mais próxima da Terra, fora do nosso sistema estelar, precisaríamos de 4 anos de viagem para alcança-la, mesmo viajando à velocidade da luz.  A maior velocidade que conseguimos atingir hoje, segundo a NASA, agência idolatrada pelo público infanto-juvenil, seria em torno de 40000 km/h.  A velocidade da luz, que é de 300000 km/s, é 27000 vezes maior (3600*300/40).  Com a velocidade atualmente disponível, demoraríamos então só 108 mil anos para chegar a um planeta do sistema Próxima (estrela Alfa da constelação do Centauro)!
Outro dado curioso, e má notícia para os vira-latas, é que na história da ficção científica e histórica, o americano L.Sprague de Camp escreveu uma série de contos denominada Viagens Interplanetarias (assim mesmo, sem acento e em português), sendo um deles o 'The Continent Makers', no qual o Brasil seria a nação mais poderosa da Terra após a 3a Guerra Mundial.  Mal sabia o inocente escritor do norte que este destino ficou seriamente comprometido quando o país caiu nas mãos atrasadas e corruptas do lulopetismo!  Porém, quem sabe, agora que a corrupção acabou e temos ordem e progresso novamente, esta profecia se realize, não? ;-)
Não poderia terminar o assunto sem citar os grandes mestres da ficção científica, em ordem de importância: Júlio Verne (Viagem à Lua), H.G.Wells (Máquina do Tempo), Edgard Rice Burroughs (John Carter, Tarzan), Philip Nowlan (Buck Rogers) e Alex Raymond (Flash Gordon). E, claro, o melhor dos piores filmes de ficção interplanetária: 'Plan 9 from outer Space' do Ed Wood, com o Bela Lugosi.
Em tempo, já que me lembrei dos vira-latas, toda a fantasia sobre walking dead e zombies começou com Edgard Rice Burroughs, Bram Stoker e, mais recentemente, Jack Finney e George Romero.  Para quem não entendeu a conexão, sugiro ler o conto 'O Flautista de Hamelin' dos irmãos Grimm. E o PowerPoint infanto-juvenil acima é uma referência a este abaixo.
http://www.diariodocentrodomundo.com.br/15-versoes-do-powerpoint-de-dallagnol-menos-ridiculas-que-o-original/
P.S.1: O peito do pé do Pedro é preto.  Não tenho provas, mas tenho convicção.
P.S.2: Cheguei há pouco do nordeste, lá de Canindé de São Francisco (Sergipe) e Piranhas (Alagoas).  Você sabe qual é a diferença entre o Serra e o jumento? O Serra é feio.

domingo, setembro 11, 2016

Aquarius



No feriado fui ver em São Paulo o filme “Aquarius”, do Kleber Mendonça Filho, com a Sonia Braga como atriz principal. Tive que ver em São Paulo simplesmente porque os cinemas do ABC não o estão exibindo – por aqui só passam aqueles blockbusters de Hollywood que os coxinhas tanto adoram.  O pernambucano Kleber já tinha dirigido “O Som ao Redor” (2012) e “A Novela das 8”(2011), ambos disponíveis no YouTube.  Desta vez, a estória é sobre a resistência de Clara (Sonia Braga) à demolição do prédio onde mora e que empresta o nome ao filme.  Aquarius  concorreu a melhor filme na Holanda, na França, na Alemanha, em Israel e na Austrália, vencendo em Amsterdam e Sydney. Em Cannes, onde Sonia Braga venceu como melhor atriz, ficou famosa a manifestação contra o golpe, feita pelo elenco, dando causa à polêmica sobre o filme ao irritar os coxinhas manipulados pela mídia, especialmente o “Tio Rei” – aquele pena-de-aluguel da revista Veja e da rádio Jovem Pan, amigo do Zé ‘Bolinha de Papel’ Serra.  O tal golpista disse que “o dever das pessoas de bem é boicotar Aquarius”, frase que acabou sendo incluída no cartaz do filme. Aqui, sites de direita enfatizaram que a estreia do filme foi um fracasso, com apenas 20 pessoas  em Copacabana. Na verdade, Aquarius teve a segunda melhor estreia nacional do ano, com mais de 54 mil espectadores em um fim de semana, conforme a Folha. O filme agradou a crítica especializada ao redor do mundo, valendo a pena ler o The Guardian e o The Telegraph, que agride os vira-latas ao dizer que o filme faz as pessoas quererem se mudar para o Brasil.
Resumo: o filme é ótimo, mas não é recomendado para a classe média mal informada, sem cultura, hipócrita e preconceituosa, especialmente os tolos que foram e são manipulados pela mídia golpista e sonegadora.

quarta-feira, setembro 07, 2016

7 de Setembro - Vai Passar?



O Papa Francisco tem razão ao lembrar que o Brasil atravessa um momento triste.  A foto do policial federal, herói dos manipulados pela mídia, trabalhando com uma tornozeleira eletrônica, ilustra bem este momento em que golpistas sonegadores, como a FIESP e a mídia, apoiam um usurpador covarde, ilegítimo e rodeado por réus.  Chico Buarque não poderia ter sido mais atual quando compôs esta poesia:

Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações

#SOSCoupInBrazil